ABORDAGEM HUMANIZADA EM UTIs DOS CURSOS DE FISIOTERAPIA BRASILEIROS: DISPOSIÇÃO DAS DISCIPLINAS E CONSIDERAÇÕES DOCENTES

  • Erica de Araújo Figueiredo Universidade Federal de Pernambuco
  • Ana Lúcia Leal

Resumo

A Fisioterapia faz parte das ciências da saúde. Destina se à prevenção e ao tratamento de alterações de órgãos e sistemas. Na UTI, o fisioterapeuta intensivista atua na função do sistema respiratório e de outros sistemas, precisando estar preparado para se deparar com a especificidade e complexidade do ambiente hospitalar, não apenas no manejo das técnicas, mas também sendo sensível à necessidade de cultivar uma relação humanizada com seus pacientes. O presente estudo teve por objetivo analisar os Projetos Políticos Curriculares (PPCs) das IES dos Cursos de Fisioterapia de todo o país, disponibilizados em seus respectivos sites, compreendendo a disposição das disciplinas de UTI e Humanização na grade curricular dos Cursos, e verificar se a abordagem humanizada na formação teórica é considerada pelos professores como fator que contribui, efetivamente, para a prática em UTIs. Realizamos uma entrevista semiestruturada em quatro docentes em duas IES da cidade de Recife. Os resultados da análise dos PPCs pesquisados apontaram para uma formação teórica escassa na área da humanização terapeuta-paciente. As entrevistas realizadas com os professores apontaram para um reconhecimento unânime da importância dela, porém nenhum professor mencionou que havia uma disciplina específica para tratar sobre a questão com os alunos nas IE que atuavam.

Biografia do Autor

Erica de Araújo Figueiredo, Universidade Federal de Pernambuco

Mestranda em Ensino de Ciências e Matemática da UFPE

Ana Lúcia Leal

Doutora em Educação pela UFPE, Professora Adjunta do NFD/UFPE, Professora Permanente do PPGECM/UFPE

Publicado
2019-12-17
Como Citar
FigueiredoE. de, & Lúcia LealA. (2019). ABORDAGEM HUMANIZADA EM UTIs DOS CURSOS DE FISIOTERAPIA BRASILEIROS: DISPOSIÇÃO DAS DISCIPLINAS E CONSIDERAÇÕES DOCENTES. Revista Contexto & Saúde, 19(37), 164-170. https://doi.org/10.21527/2176-7114.2019.37.164-170
Seção
Fisioterapia & Saúde