Relações de gênero nos processos decisórios sobre a água em Ouro Preto/MG

Autores

  • Alexsandra Matilde Resende Rosa Universidade Federal de Minas Gerais
  • Vera Lúcia de Miranda Guarda Universidade Federal de Ouro Preto
  • Kerley dos Santos Alves Universidade Federal de Ouro Preto

DOI:

https://doi.org/10.21527/2176-6622.2022.58.10102

Palavras-chave:

gestão de recursos hídricos, relações de gênero, participação, Ouro Preto/MG.

Resumo

A integração da perspectiva de gênero na gestão dos recursos hídricos visa a garantir que as experiências e preocupações de homens e mulheres façam parte da preparação, efetivação, controle e avaliação das políticas e programas sobre a água. Tal integração é necessária na medida em que as mulheres são minorias nas altas instâncias decisórias sobre os recursos hídricos, mas são muito afetadas pela escassez deles. Ademais, as mulheres lidam com a água diariamente ao longo de gerações. Também, representam metade da população mundial, e o desenvolvimento sustentável não pode acontecer sem a contribuição de parcela tão significativa da população. Essa pesquisa teve como objetivo identificar a percepção dos gestores da água no município de Ouro Preto/MG quanto à participação das mulheres na gestão. Buscou-se atingir esse objetivo por meio da aplicação de questionários, entrevista semiestruturada e observações nas reuniões dos Órgãos e Conselhos participantes da pesquisa. Foi observada uma maior presença masculina nos cargos gerencias e operacionais dos Órgãos e nos Conselhos Gestores. Apesar de estarem em menor número, as mulheres assumem um posicionamento ativo. Os entrevistados relatam observar uma maior presença de homens nas reuniões, sendo necessárias medidas que incentivem a participação das mulheres. Ainda, foram relatadas diferenças de funções conforme o sexo no ambiente de trabalho. De acordo com a percepção dos conselheiros e trabalhadores, a participação popular, em geral, nos Órgãos e Conselhos, é pouco expressiva. Há a necessidade de cursos de capacitação para garantir uma maior equidade de forças dentro do debate ambiental sobre o assunto, permitindo debates mais equânimes.

Biografia do Autor

Vera Lúcia de Miranda Guarda, Universidade Federal de Ouro Preto

Pós-doutora em Ciências Farmacêuticas pela Université Joseph Fourier – Grenoble I, França. Doutora em Ciências Farmacêuticas pela Université de Grenoble I, França. Mestre em Ciências Farmacêuticas pela UFRGS. Professora titular do Departamento de Farmácia da Universidade Federal de Ouro Preto-MG.

Kerley dos Santos Alves, Universidade Federal de Ouro Preto

Doutora em Psicologia pela PUCMinas com estágio Sandwich pela Universitat Autonoma de Barcelona, Espanha. Professora adjunta do PPGSSA – Mestrado em Sustentabilidade socioeconômico ambiental da Universidade Federal de Ouro Preto-MG.

Downloads

Publicado

2022-11-04

Como Citar

Rosa, A. M. R., Guarda, V. L. de M., & Alves, K. dos S. (2022). Relações de gênero nos processos decisórios sobre a água em Ouro Preto/MG. Revista Direito Em Debate, 31(58), e10102. https://doi.org/10.21527/2176-6622.2022.58.10102