EFEITOS DA RECUPERAÇÃO PASSIVA E ATIVA SOBRE A DOR E A FUNCIONALIDADE APÓS EXERCÍCIOS RESISTIDOS

Palavras-chave: Terapia por Exercício; Mialgia; Fadiga; Recuperação de Função Fisiológica

Resumo

Os exercícios resistidos (ER) realizados de forma intensa resultam no surgimento de dor muscular de inicio tardio (DMIT) e na redução da funcionalidade. Diferentes formas de recuperação após os exercícios veem sendo estudadas para atenuar o desconforto e melhorar a funcionalidade. O objetivo do presente estudo foi avaliar os efeitos das recuperações passiva (RP) e ativa (RA) sobre a DMIT e a funcionalidade de voluntários fisicamente ativos após sessão de ER. A amostra foi composta por 15 voluntários, com idade média de 24,2 (± 2,2) anos e IMC de 24,7 (± 2,5) kg/m2, submetidos ao protocolo de ER e às formas de recuperação. As sessões de ER (agachamento, cadeira extensora e leg press) consistiram em 4 séries de 10 repetições, com 80% da carga máxima (intervalo de uma semana entre a avaliação e as sessões). A DMIT foi avaliada (Escala Visual Analógica) 24 h, 48 h e 72 h após sessão de ER. A funcionalidade (força muscular avaliada pelo pico de torque isométrico, flexibilidade, potência, agilidade, velocidade e resistência à fadiga) foi avaliada 30 min após as intervenções (RA e RP). A RA foi mais eficiente na redução da DMIT em relação à RP nos três momentos avaliados (24 h: -1,3, 48 h: -1.3 e 72 h: -1.5 pontos; p < 0.005). A RA melhorou em aproximadamente 9% a força muscular dos membros inferiores em relação à RP. As demais variáveis funcionais não apresentaram diferenças entre as recuperações. A RA diminui a DMIT e atenua a perda da força muscular após ER em voluntários fisicamente ativos.

Biografia do Autor

Bruno Cesar Correa Arbiza, Universidade Federal de Santa Maria

Graduado em Fisioterapia pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), mestrando do Programa de Pós-Graduação em Educação Física da UFSM.

Natiele Camponogara Righi, Universidade Federal de Santa Maria

Graduada em Fisioterapia pela Universidade Federal de Santa Maria. Mestrado em Ciências da Reabilitação pela Universidade Federal de Santa Maria.

Anelise Lunardi Delevati, Universidade Federal de Santa Maria

Graduando em Fisioterapia pela Universidade Federal de Santa Maria

Léo José Rubin Neto, Universidade Federal de Santa Maria

Graduando em Fisioterapia pela Universidade Federal de Santa Maria

Antonio Marcos Vargas da Silva, Universidade Federal de Santa Maria

Graduado em Fisioterapia pela Universidade de Cruz Alta, Mestre em Fisiologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Doutor em Fisiologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Gustavo Orione Puntel, Universidade Federal de Santa Maria

Graduado em Fisioterapia pela Universidade Federal de Santa Maria. Metrado e Doutrado em Ciências Biológicas (Bioquímica Toxicológica) pela Universidade Federal de Santa Maria

Luis Ulisses Signori, UFSM

Graduado em Fisioterapia pela Universidade de Cruz Alta, Mestrado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e Doutorado e Pós-Doutorado em Ciências da Saúde no Instituto de Cardiologia do Rio Grande do Sul.

Publicado
2020-06-30
Como Citar
ArbizaB., RighiN., DelevatiA., Rubin NetoL., da SilvaA., PuntelG., & SignoriL. (2020). EFEITOS DA RECUPERAÇÃO PASSIVA E ATIVA SOBRE A DOR E A FUNCIONALIDADE APÓS EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Revista Contexto & Saúde, 20(38), 163-169. https://doi.org/10.21527/2176-7114.2020.38.163-169
Seção
Exercício Físico & Saúde